Cine-Teatro Louletano

Alex Cassal / Residência artística Festival Verão Azul

De 18 a 28 de novembro de 2020

Alex Cassal / Má-Criação – A Biblioteca do Fim do Mundo 

 

RESIDÊNCIA DE CRIAÇÃO

Biblioteca Municipal de Loulé, 18 a 26 novembro, das 19h00 às 21h30

 

WORKSHOP DE ESCRITA PARA TEATRO 

Auditório do Convento do Espírito Santo, 21 e 22 novembro, 10h30-13h30 - 15h00-18h00 

 

APRESENTAÇÃO INFORMAL / MOMENTO PÚBLICO

Biblioteca Municipal de Loulé, 28 novembro às 19h30

 

A Biblioteca do Fim do Mundo é um espetáculo concebido para ser apresentado em bibliotecas. Um pequeno grupo de espetadores irá passar a noite na companhia de um pequeno grupo de performers, numa jornada cinematográfica e literária que passará por autores como Dickens, Bradbury, Rimbaud, Nietzsche, Salinger, Austen, Joyce, Woolf, Cervantes e realizadores como Godard, Truffaut, Jarmush, Almodóvar, Coppola, Pasolini, Tarantino, Roeg, Coixet, Wenders.

 

Não há́ uma narrativa única a unir todos estes nomes, mas uma série de conversas paralelas que se complementam e se afastam, fazendo com que diferentes espetadores possam sair com diferentes versões do mesmo espetáculo.

Uma noite para pensar no passado, no presente e no futuro, percorrendo as histórias que criamos para iluminar as trevas, enquanto o amanhecer não chega.

 

Pensando em ligações inusitadas com a população de Loulé, acolhemos esta criação abrindo o próprio processo à participação da comunidade local. Durante esta fase de criação, Alex Cassal e sua equipa experimentam formatos de relação entre as comunidades locais, os seus medos e os seus sonhos.

 

No final da residência esta etapa do processo de criação será exposta ao público, com o intuito de recolher comentários que permitam uma relação mais próxima do território, pensando na próxima vinda a Loulé, na edição de 2021 do Festival.

 

 

BIO

 

Alex Cassal é encenador, dramaturgo e ator. Nasceu em Porto Alegre, Brasil, em 1967. Cresceu a ler banda desenhada e a ver filmes de ficção científica, afetando de forma irremediável a sua sensibilidade.

 

Licenciou-se em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ.

 

No Brasil integra o grupo Foguetes Maravilha, responsável por espetáculos como Ele precisa começar, Ninguém falou que seria fácil e Síndrome de Chimpanzé.

 

Colaborou com artistas como Enrique Diaz, Gustavo Ciríaco, Alice Ripoll, Dani Lima, Michelle Moura, grupo Dimenti (no Brasil); e Tiago Rodrigues, Cláudia Gaiolas, Paula Diogo, Marco Paiva, Sofia Dias & Vítor Roriz (em Portugal).

Nos últimos anos escreveu e encenou os espetáculos As cidades invisíveis (Teatro Maria Matos, 2016), Tiranossauro Rex (Teatro Nacional D. Maria II, 2017), Ex-Zombies: uma conferência (Teatro Nacional D. Maria II, 2018), Morrer no Teatro (Teatro Baltazar Dias, 2019) e A Menor Língua do Mundo (Festival Materiais Diversos, 2019).

Vive em Lisboa.       

 

A MÁ-CRIAÇÃO é uma estrutura com sede em Lisboa dedicada exclusivamente a projecos de investigação na área da performance e teatro. Tem como principal objetivo a criação de um espaço que permita manter um grupo de artistas em processo de colaboração contínua, fomentando o desenvolvimento de novas linguagens e estéticas.

É responsável por espectáculos como L-O-V-E (2015), O Grande Livro dos Pequenos Detalhes (2015), As Cidades Invisíveis (2016), Sobre Lembrar e Esquecer (2018), Um Tigre-Lírio é Difícil de Encontrar (2018), Morrer no Teatro (2019) e Terra Nullius (2020).

 

FICHA TÉCNICA:

 

 

Dramaturgia e Encenação: Alex Cassal

 

Criadores-Intérpretes: Alex Cassal, Estelle Franco, Keli Freitas e cinco interpretes locais a designar

 

Apoio à dramaturgia: Joana Frazão

 

Espaço cénico: Elsa Mencagli

 

Produção Executiva: Vanda Cerejo

 

Co-produção: Má-Criação, casaBranca AC – Festival Verão Azul / Cineteatro Louletano e Teatro Viriato 

 

Residência de co-produção: O Espaço do Tempo 

 

SOBRE O FESTIVAL

www.festivalveraoazul.com

Durante praticamente três meses o Mundo parou e durante esse tempo os hábitos alteraram-se. A natureza reagiu, libertou-se de gases tóxicos e mostrou a sua capacidade de regeneração, enquanto o ser humano se acostumava a não sair de casa (se a sua profissão e privilégio o permitisse) e a dar atenção a pequenos detalhes na sua vida.

 

Muitos não pararam - entre teletrabalho e reuniões em plataformas digitais que nos permitiram continuar ligados, definimos um quotidiano diferente, mas onde livros, música, cinema e espectáculos online foram nossos companheiros. Assumimos, de uma forma mais consciente, a importância das artes nas nossas vidas.

 

Também nós no Verão Azul passámos por estas experiências e, trabalhando a partir das nossas casas, íamos pensando no nosso futuro de profissionais das artes, vendo os nossos trabalhos perderem a capacidade de autonomia pela precariedade em que vivemos, mas essencialmente, porque precisamos de público e de inter-relações para vivermos.

 

É assim que este ano, um ano de não-festival, o Verão Azul se propõe parar e respirar, juntamente com os artistas que convidámos a estar em residência connosco em Faro e em Loulé - e que nos propõem um olhar distinto sobre o mundo. Este ano juntamos em 4 meses as Residências Artísticas que iríamos desenvolver durante todo o ano e concentramos num período mais curto as nossas relações com o território do Sotavento Algarvio. E todos vêm com criações que serão marcadas pela experiência global de uma pandemia que (ainda) atravessamos. Promovemos também um Plano de Formação para os profissionais da região, realizado em conjunto com as associações ArQuente e Mákina de Cena.  Com um formato de oficinas intensivas mensais durante o fim-de-semana, cada artista propõe distintas práticas de criação e de relação com os participantes.

 

Contamos, mais uma vez, com o apoio dos nossos parceiros e co-produtores Cine-Teatro Louletano/Câmara Municipal de Loulé e Teatro das Figuras, com quem seguimos lado a lado na montagem desta programação, e que permitem que este projecto desenvolva, de uma forma mais próxima, as suas relações com o(s) território(s).

 

Catarina Saraiva
Curadoria Festival Verão Azul

 

 

// Duração: 6 dias

Org.: CasaBranca AC

Apoio: Câmara Municipal de Loulé

 https://www.facebook.com/cineteatrolouletano

 

INSCRIÇÕES PARA A APRESENTAÇÃO ATRAVÉS DO EMAIL biblioteca@cm-loule.pt

INSCRIÇÕES PARA O WORKSHOP DE ESCRITA PARA TEATRO elisa.almeida@cm-loule.pt

  • Biblioteca Municipal de Loulé
  • Ver programa específico
  • Entrada gratuita
  • Público em geral